Tinnitus

Tinnitus

domingo, 19 de junho de 2022

Tinnitus e Coronavírus


Nota: Para qualquer pessoa com dúvidas e preocupações sobre o coronavírus e/ou vacinas disponíveis no Brasil, é fundamental consultar um médico.

Em resposta às muitas perguntas que estamos recebendo sobre zumbido e possíveis conexões com o coronavírus e vacinas, explicamos:

Se você contraiu o coronavírus e ele causou zumbido ou fez com que o zumbido existente se tornasse pior, procure assistência médica otorrinolaringológica para avaliar possíveis causas, realizar exames diagnósticos e selecionar opções de tratamento.

Se você recebeu uma vacina contra o coronavírus e seu zumbido ficou mais alto, além de procurar assistência médica otorrinolaringológica, informe o efeito colateral à Anvisa, sistema VigiMedusando o seguinte link: https://primaryreporting.who-umc.org/BR

Atualmente, nenhuma das vacinas contra o coronavírus disponíveis inclui informações sobre o zumbido como efeito colateral. É somente através da notificação de efeitos colaterais que os ajustes são feitos na lista de efeitos colaterais comuns ou raros, portanto, informe quaisquer eventos adversos que ocorram após a vacinação, no link acima.

Atualmente temos vários pacientes relatando aumento de zumbido previamente existente após coronavírus e/ou vacinas. Mesmo nestes casos incentivamos a vacinação.

sexta-feira, 17 de junho de 2022

Zumbido - Sinais e Sintomas

O zumbido pode ser percebido em uma ou ambas as orelhas ou na cabeça. É descrito como um ruído ouvido pela pessoa na ausência de estímulo auditivo. O ruído é geralmente descrito como barulho, mas, em alguns pacientes, assume a forma de um som agudo, assobio, chiado, sussurro, tique-taque, clique, rugido, "grilos", "pererecas", "gafanhotos (cigarras)", toada, canções, apitos ou sons que se assemelham um pouco vozes humanas ou mesmo um tom puro constante como aquele ouvido durante um teste de audição. 
    O zumbido pode ser intermitente ou contínuo: no último caso, pode ser a causa de grande sofrimento. Em alguns indivíduos, a intensidade pode ser alterada pelos movimentos do ombro, cabeça, língua, mandíbula ou olho. A maioria das pessoas com zumbido tem algum grau de perda auditiva. O som percebido pode variar de um ruído sendo detectado em ambiente silencioso ou pode ser ouvido mesmo na presença simultânea a sons externos fortes. 
    Um tipo específico de zumbido, chamado zumbido pulsátil, é caracterizado por sons relacionados ao fluxo sanguíneo do pescoço ou rosto sendo ouvidos. Devido a variações nos desenhos dos estudos, os dados sobre o curso do zumbido mostraram poucos resultados consistentes. Geralmente, a prevalência aumenta com a idade em adultos, enquanto as classificações de incômodo diminuem com a duração. 
    Zumbidos podem ser caracterizados como subjetivos ou objetivos. O zumbido geralmente é subjetivo, o que significa que não há som detectável por outros meios.
O zumbido objetivo pode ser detectado por outras pessoas e, às vezes, é causado por espasmos involuntários de um músculo ou grupo de músculos (mioclonia) ou por uma condição vascular. Em alguns casos, o zumbido é gerado por espasmos musculares ao redor da orelha média. 

Zumbido pulsátil

    Algumas pessoas percebem um som que bate no ritmo do pulso, conhecido como zumbido pulsátil ou zumbido vascular. 
    O zumbido pulsátil é geralmente objetivo por natureza, resultante de fluxo sanguíneo alterado, aumento da turbulência sanguínea perto da orelha, como aterosclerose ou zumbido venoso, mas também pode surgir como um fenômeno subjetivo de uma maior conscientização do fluxo sanguíneo na orelha. Raramente, o zumbido pulsátil pode ser um sintoma de condições potencialmente fatais, como aneurisma da artéria carótida ou dissecção da artéria carótida. 
    O zumbido pulsátil também pode indicar vasculite, ou mais especificamente, arterite de células gigantes; hipertensão intracraniana idiopática; podendo ser um sintoma de anormalidades vasculares intracranianas e deve ser avaliado quanto a ruídos irregulares do fluxo sanguíneo (braquetes).

 Zumbido subjetivo

O zumbido subjetivo é o tipo mais frequente de zumbido. Pode ter muitas causas possíveis, mas geralmente resulta de perda auditiva. Quando o zumbido é causado por distúrbios do orelha interna ou nervo auditivo, é chamado ótico (da palavra grega para ouvido). Essas condições otológicas ou neurológicas incluem aquelas desencadeadas por infecções ou drogas. Uma causa frequente é a exposição ao ruído que danifica as células ciliadas do ouvido interno. Quando não parece existir uma conexão com um distúrbio da orelha interna ou nervo auditivo, o zumbido é chamado de não-ótico (ou seja, não-auditivo). Em cerca de 30% dos casos de zumbido, há influência do sistema somatossensorial. 
Por exemplo, as pessoas podem aumentar ou diminuir o zumbido movendo o rosto, a cabeça ou o pescoço. Esse tipo é chamado de zumbido somático ou craniocervical, uma vez que apenas os movimentos da cabeça ou do pescoço têm efeito. Há um crescente corpo de evidências sugerindo que o zumbido é uma consequência de alterações neuroplásticas na via auditiva central. Presume-se que essas alterações resultem de uma entrada sensorial perturbada, causada por perda auditiva. 
A perda auditiva pode realmente causar uma resposta homeostática dos neurônios no sistema auditivo central e, portanto, causar zumbido. 

Fatores associados

Os fatores associados ao zumbido incluem:
 
     1- Problemas auditivos e perda auditiva: perda auditiva condutiva, choque acústico por barulho forte ou música, derrame da orelha média, otite, otosclerose, disfunção da tuba auditiva, perda de audição sensorioneural, ruído excessivo ou forte por longo tempo, presbiacusia (perda auditiva associada à idade), doença de Ménière, hidropisia endolinfática, deiscência do canal superior, neurinoma acústico, intoxicação por mercúrio ou chumbo, medicações ototóxicas. 
     2- Distúrbios neurológicos: Malformação de Arnold-Chiari, esclerose múltipla, ferimento na cabeça. 
     3- Disfunção da articulação temporomandibular. 
     4- Arterite de células gigantes. 
     5- Distúrbios metabólicos e hormonais: deficiência de vitamina B 12, anemia por deficiência de ferro, andropausa e menopausa. 
     6- Distúrbios psiquiátricos como depressão e transtornos de ansiedade. 
     7- Outros fatores: Vasculite. Alguns medicamentos psicodélicos podem produzir sintomas temporários semelhantes ao zumbido como efeito colateral como 5-MeO-DMT e diisopropiltriptamina (DiPT). Retirada de benzodiazepina, hiper ou hipotensão intracraniana causada, por exemplo, por encefalite ou vazamento de líquido cefalorraquidiano.
 
     Uma avaliação criteriosa é necessária no sentido de identificar e corrigir os fatores associados ao zumbido.

quinta-feira, 26 de maio de 2022

RELAÇÃO DO ZUMBIDO COM AS DORES CERVICAIS E LOMBARES

,Em um estudo realizado na Holanda, por Henk M Koning e Bas C. ter Meulen foi encontrada relação direta entre as dores cervicais e lombares e a forma de desenvolvimento do zumbido. O foco desta pesquisa foi indicar a consequência da gravidade da cervicalgia e dor na região lombar e/ou membros inferiores em pacientes com zumbido. Foram analisados 61 pacientes com zumbido como queixa principal durante um período de três meses. Resultados: Neste estudo, encontramos dois grupos de pacientes com zumbido definidos pela existência de instabilidade postural. Pacientes com zumbido e instabilidade postural foram caracterizados por predomínio do sexo feminino, perda auditiva autopercebida, maior intensidade do zumbido, dor cervical e dor na região lombar e/ou nos membros inferiores e com déficit auditivo de 250 Hz a 4 kHz. Conclusões: Em pacientes com zumbido deve-se estar ciente de que a perda auditiva pode ser consequência de dor cervical de alta intensidade. A estimulação das vias de entrada proprioceptiva devido à dor cervical pode resultar em maior intensidade de zumbido e perda auditiva na faixa de 250 Hz a 4 kHz.